Avançar para o conteúdo principal

Lógica ≠ Filosofia

É certo que a lógica, ou melhor, o uso dos desenvolvimentos técnicos da lógica como ferramentas que auxiliem na solução de problemas filosóficos é uma das coisas que diferencia a filosofia analítica da filosofia continental. Mas o que quero saber é se o lógico é um filósofo? E, mais especificamente, se o lógico é filósofo analítico? Afinal, fazer lógica é fazer filosofia? Mais, o trabalho do “lógico de laboratório”, digamos assim, é um trabalho filosófico? O cara que está preocupado com completude e correção do sistema que está montando e nada mais – É um filósofo? O cara para o qual os conceitos de verdade e falsidade são definidos dentro de um sistema, quase convencionalmente estabelecidos, e simbolizados por 0 e 1, faz um trabalho filosófico? Eu, particularmente, penso que não. Fazer lógica não é fazer filosofia. A lógica não é filosofia. Claro que há muitos lógicos que fizeram e fazem trabalho filosófico, mas isso não faz da lógica filosofia, talvez faça do lógico um filósofo, assim como, por vezes, o físico, o químico ou o biólogo acabam filosofando ao se meterem com problemas filosóficos. A lógica tem boas aplicações como ferramenta que auxilia na solução de problemas filosóficos. Além disso, há problemas diretamente relacionados à lógica que são problemas filosóficos; problemas de filosofia da lógica e da matemática, por exemplo. É apenas nestes dois casos – aplicação como ferramenta e filosofia da lógica – que a lógica tem relevância direta em filosofia.
Claro que não estou defendendo que a lógica deva ser excluída da grade de disciplinas da filosofia, ao contrário, acho que a lógica é uma das disciplinas mais importantes para se ensinar nos cursos de graduação, ensino médio e até pós-graduação, mas, ao contrário do que alguns parecem pensar, creio que fazer lógica não é, nem de perto, fazer filosofia. A lógica, neste sentido, está para a filosofia assim como o calculo diferencial integral está para engenharia. O bom engenheiro sabe calculo, mas não é um matemático. O bom filósofo sabe lógica, mas faz filosofia. E o leitor o que pensa destas ideias?

Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. João Vicente Stefanelli5 de maio de 2012 às 08:04

    Concordo com o fato da lógica ser condição necessária mas não suficiente para se fazer filosofia. Mas a maioria das questões que foram postas para negarem o espaço da lógica mostra necessário o esclarecimento do que é filosofia e o que se espera desta. Não pode-se excluir quem responde a todas, ou pelo menos a maioria, destas questões afirmativamente. Pois em nada mostra que esse modo não é filosofia, e vários filósofos no decorrer da história da filosofia trabalharam com conceitos de verdade e falsidade definidos dentro de um sistema, quase convencionalmente estabelecidos.

    ResponderEliminar
  3. O que é ser QUASE convencionalmente estabelecido? Ou é ou não é! Não entendo a critica a respeito da verdade definida "dentro" do sistema. Ser definivel em um sistema é, em si, um defeito? "...simbolizamos por 0 e 1" é pura retórica: qual a importância dos signos utilizados, se os seus significados são estabelecidos com precisão?

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…