Avançar para o conteúdo principal

A luz na filosofia analítica


A filosofia analítica até 1970 se encontrava nas trevas -- identificando o analítico/sintético como o necessário/contingente e o a priori/a posteriori, além de ser concebida meramente como uma atividade de clarificação da linguagem. Mas Kripke apareceu e a luz se fez -- distinguindo esses pares conceituais (em distinções semântica, metafísica e epistêmica, respectivamente) e principalmente mostrando que há verdades necessárias a posteirori.  Desde então a filosofia pôde voltar ao seu exercício tradicional de desvendar os aspectos não empíricos -- e não meramente linguísticos -- mais importantes da realidade. Caricaturas à parte, é mais ou menos assim que Scott Soames vê o desenvolvimento da filosofia analítica até meados da década de 70 do século passado em seu Philosophical Analysis in the Twentieht Century, em dois volumes. Nem todos pensam assim. P. M. S. Hacker, distinto estudioso da filosofia analítica do primeira metade do século XX, e principalmente da filosofia de Wittgenstein, em resenha ao livro de Soames se queixa dessa imagem acusando-o de super-simplificação, omissão de trabalhos significativos, e, por isso, de não apresentar uma imagem realmente iluminante desse período da filosofia. Para desespero de Hacker, Soames (supostamente) ainda comete erros na interpretação dos trabalhos de Wittegenstein; metade de sua resenha se ocupa desses supostos erros. Na esteira de Hacker, Cristopher Pincock aponta 5 supostos erros na interpretação das teses de Russell (erros que, segundo ele, qualquer especialista na filosofia de Russell reconheceria), o que, por si só, sustenta, já seria o bastante para olharmos com certa suspeita para todo o livro. Há também críticas que apontam para o caráter ahistoriográfico do livro, para a tendência kripkiana de Soames, etc. As principais críticas (e as respostas de Soames a elas) se encontram em sua página pessoal, incluindo as repostas a Hacker e a Pincock. 
Tenha Soames cometido erros graves ou não, seu principal insight, embora certamente não dê conta de toda a história da filosofia analítica, ilumina uma parte importante dela: sem Kripke e, em grande parte por sua causa, o restabelecimento da metafísica, talvez a produção filosófica contemporânea não tivesse o sucesso do qual atualmente somos testemunhas. 

Comentários

  1. E já agora as respostas às respostas de Soames: http://bengal.missouri.edu/pincockc/reply%20to%20soames%20final.pdf

    E para uma visão diferente da influência de Kripke na história da filosofia recente, ver a divertida recensão de Fodor ao livro de Christopher Hughes aqui: http://www.lrb.co.uk/v26/n20/jerry-fodor/waters-water-everywhere

    ResponderEliminar
  2. No fim das contas essa crítica pegou mal pro Hacker! Acho os livros excelentes

    ResponderEliminar
  3. No fim das contas essa crítica pegou mal pro Hacker! Acho os livros excelentes

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…