Avançar para o conteúdo principal

Williamson em Lisboa

É já no princípio do próximo mês de Junho, nos dias 5 e 6, que Timothy Williamson, sem dúvida um dos mais marcantes, interessantes e activos filósofos contemoporâneos, estará em Lisboa para as Petrus Hispanus Lectures 2012, da Universidade de Lisboa. As Petrus Hispanus Lectures têm contado com a presença de filósofos de primeiríssima linha, como Hilary Putnam, Daniel Dennett e David Kaplan, entre outros. Não é todos os dias que se tem a oportunidade de ouvir um filósofo da dimensão de Williamson. Williamson virá falar sobre Lógica, Ciência e Metafísica. E a entrada é livre.


Comentários

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  2. Abundam as caricaturas feitas tanto da filosofia continental quanto analítica, e também das diferenças entre elas. Já expliquei em vários textos por que razão são caricaturas. Williamson é um dos filósofos que não cai nessas caricaturas comuns. Leia-se, por exemplo, o seu "Depois da Viragem Linguística?", por mim traduzido, onde ele põe em causa a ideia comum, mas falsa, que é a centralidade da filosofia da linguagem que caracteriza a filosofia analítica, distinguindo-a da continental.

    ResponderEliminar
  3. Por lapso, não assinei o comentário anterior. Presumo, naturalmente, ter sido tal facto o motivo da sua remoção.Peço desculpa.
    Quanto às singularidades das filosofias analíticas ( são várias, caro Desidério, são várias...) em relação às Continentais (são várias, caro Desidério, são várias...), o texto de Williamson é justamente significativo porque põe em causa um dinstinguo caricatural muitas vezes usado pelos analíticos para se distinguirem dos continentais: o rigor, a clareza e a argumentatividade analítica versus a obscuridade e a discursividade elíptica dos continentais. Mas se não é a diferença temática ( tal como alguns filósofos analíticos, também os filósofos continentais, segundo Williamson, ficaram presos nas teias da linguagem , para usar uma expressão de Nietzsche), o que distingue analíticos e continentais? Williamson parece dizer que o rigor, a clareza lógica e argumentativa também não fazem a diferença. Então o que será? O estilo? A tradição dos ensaística dos pequenos papers sem aparato parentético e citacional? Uma tradição académica e institucional? O reconhecimento de que a filosofia é um conjunto de problemas a resolver e não um conjunto de textos a interpretar? Será tudo isto e mais alguma coisa? É provável mas, felizmente, a resposta não é fácil.

    Paulo Ferreira

    ResponderEliminar
  4. Algumas correcções

    Por lapso, não assinei o comentário anterior. Presumo, naturalmente, ter sido tal facto o motivo da sua remoção.Peço desculpa.
    Quanto às singularidades das filosofias analíticas ( são várias, caro Desidério, são várias...) em relação às Continentais (são várias, caro Desidério, são várias...), o texto de Williamson é justamente significativo porque põe em causa um distinguo caricatural muitas vezes usado pelos analíticos para se distinguirem dos continentais: o rigor, a clareza e a argumentatividade analítica versus a obscuridade e a discursividade elíptica dos continentais. Mas se não é a diferença temática ( tal como alguns filósofos analíticos, também os filósofos continentais, segundo Williamson, ficaram presos nas teias da linguagem , para usar uma expressão de Nietzsche), o que distingue analíticos e continentais? Williamson parece dizer que o rigor, a clareza lógica e argumentativa também não fazem a diferença. Então o que será? O estilo? A tradição ensaística dos pequenos papers sem aparato parentético e citacional? Uma tradição académica e institucional? O reconhecimento de que a filosofia é um conjunto de problemas a resolver e não um conjunto de textos a interpretar? Será tudo isto e mais alguma coisa? É provável mas, felizmente, a resposta não é fácil.

    Paulo Ferreira

    ResponderEliminar
  5. A resposta está aqui: http://criticanarede.com/ed2.html

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…