Avançar para o conteúdo principal

Morreu Leônidas Hegenberg

Acabo de receber a triste notícia do óbito do Professor Leônidas Hegenberg. Como estrangeiro que conhecia parte do seu importante trabalho de tradução e autoria de livros importantes para a actualização do ensino brasileiro da filosofia, lamento profundamente a sua morte. Nunca tive o prazer de o conhecer pessoalmente, apesar de ter trocado com ele vários emails, geralmente relacionados com a publicação de várias recensões suas aqui na revista Crítica; mas tive o prazer de falar com ele pelo telefone uma vez, e pareceu-me uma pessoa muitíssimo afável. O valor do seu trabalho está para lá de qualquer dúvida, e merece a nossa homenagem. Obrigado, Leônidas, por tudo quanto deu à filosofia em língua portuguesa.

Eis alguns dos trabalhos de e sobre o Leônidas publicados na Crítica:

Comentários

  1. O Leônidas merece todo o nosso respeito: divulgou a filosofia de qualidade no Brasil praticamente sozinho, desde a década de 60. De seus livros introdutórios, merece destaque sua introdução à filosofia da ciência em dois volumes, Etapas da Investigação Científica. Também traduziu várias obras importantes como A Lógica da Pequisa Científica, de Popper, Contra o Método, de Feyerabend, Escolha e Acaso, de Brian Skyrms, A Crítica e o Desenvolvimento do Conhecimento, org. por Lakatos e Musgrave, dentre muitos outros.

    ResponderEliminar
  2. Lamentável mesmo. O Prof. Leônidas foi um dos pioneiros no brasil na divulgação da Filosofia analítica e fez uma contribuição inigualável em traduções e livros introdutórios de filosofia de boa qualidade. É uma grande perda para o pais e para a filosofia no brasil. Tive a oportunidade de ter tido algumas aulas com ele uns anos atrás, se não me engano 2003 ou 2004, numa disciplina de Filo da Ciência na UFSJ-mg (eu era graduando), fiquei pasmo com a simplicidade, a preocupação com rigor, a lucidez e ao mesmo tempo a profundidade dele na apresentação de alguns problemas (já q no depart de filo da ufsj era raro). Na época fiquei fascinado com isso e ele foi uma das primeiras pessoas que vi falando da filo analítica e dos autores com os quais eles trabalhava (dos EUA e da Inglaterra que tbm eram raros de serem lidos na ufsj) em filo da ciência: depois dessas aulas não parei mais de investigar a filo analítica e ate hoje o meu principal interesse é esse. Infelizmente nunca mais retornei a UFSJ e nem mesmo revi o Leônidas. Muito obrigado Prof. Leônidas pela contribuição pessoal e social ao brasil e ao mundo.
    Fica aqui meu profundo agradecimento e mais uma homenagem ao grande Leônidas.

    ResponderEliminar
  3. Eu tive a imensa oportunidade de entrar em contato com o Prof. Dr. Leônidas Helmuth Baebler Hegenberg, pela primeira vez, em 09/10/10, ocasião em que o elogiei pelos livros de Lógica de sua autoria. De lá para cá foram muitas as trocas de e-mails, sempre de forma bastante humorada, atenciosa e descontraída de sua parte. A nossa última troca de e-mail ocorreu em 08/11/12.
    Em 25/12/11, concedeu-me a oportunidade de trabalhar como revisor técnico de Lógica, possivelmente a obra mais importante de sua autoria nessa área, pelo que fiquei enormemente lisonjeado, ao mencionar que “a rigor, você é a única pessoa confiável”, “o conjunto de pessoas que conhecem Lógica e estão em condições de me prestar ajuda é conjunto composto de UM só elemento - você. Obrigado”.
    Lembro-me de que, certa vez, no decorrer do trabalho de revisão da sua obra Lógica, “o meu silêncio o incomodou”, pelo que lhe respondi que “o meu silêncio é decorrência, possivelmente, do trabalho de revisão da Lógica, com o qual estou (satisfatoriamente) bastante empenhado, de modo que já espero que você fique bastante tranquilo a esse respeito”.
    Registro, por fim, alguns dos meus pontos de vistas expressos ao eterno amigo:
    Do seu admirador (de coração) por tudo que você tem feito, faz e ainda (que Deus o permita!) fará, pelo desenvolvimento científico deste País.
    Definitivamente, para mim, você é a maior "lenda viva" da área de Lógica em nosso país. (Eu preciso dizer mais alguma verdade a seu respeito?!)

    Gilmar Pires Novaes

    ResponderEliminar
  4. Conheci os trabalhos do Leônidas através de seus livros de lógica, que, aliás, são extremamente didáticos, no estilo de outro grande matemático brasileiro, que não sei se ainda está vivo, o sr. Edgard de Alencar Filho. Descanse em paz professor ....

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…