Avançar para o conteúdo principal

Scruton sobre a moda

Em qualquer comunidade humana normal, a estética da vida quotidiana expressar-se-á através da moda ou, por outras palavras, através da adopção de um estilo comum. Uma moda é um indicador das opções estéticas que dão alguma garantia de aprovação dos outros; e também permite às pessoas jogar com as aparências, enviar mensagens reconhecíveis à sociedade de estranhos e sentirem-se confortáveis com a sua aparência num mundo em que esta importa.
Roger Scruton, 2009. Beleza. Lisboa: Guerra & Paz, p. 89.

Comentários

  1. A estética da vida comun expressa-se através da moda ou quem sabe sobre qualquer outra coisa para se sentir parte de alguma coisa, para agradar a outrem, não a si mesmo. A aprovação dos outros é uma ideia viva por uma grande parte das pessoas que tem a necessidade de aprovação dentro desse grupo. Muita gente deste planeta, a maior parte, nem precisa dessa moda comum. Isso é invenção de quem tem a mesquinhes de o poder dizer e mostrar, não de quem não tem e nem dela precisa. Nem saberia dela se não fosse diariamente "cagada" com repetição na TV ou revistas.
    Enviar mensagens reconhecíveis à sociedade como diz, sobre assuntos fúteis como a moda, não são reconhecíveis a algumas pessoas, só a quem é vazio e que vive num mundo de olhos tapados. Não há como se sentir confortável neste mundo da moda com tanta ignorância em relação ao mundo real, idólatras. A aparência nunca será a realidade. O desejo do poder e do matrialismo nunca alcançarão a verdadeira beleza de cada um e em comun do ser. É uma perda de tempo o que diz, não lhe interessa a totalidade, só uma absurda quantidade de gente banal. Não se deve jogar com as aparências, cada um tem o direito de ser como é na sua verdade.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

4 passos para argumentar de forma inteligente e generosa (Daniel Denett)

Costuma ser generoso quando critica os pontos de vista do seu oponente?
Qual será a vantagem dessa abordagem?
Numa discussão quer vencer o seu oponente ou fazer um aliado?
O confronto de ideias sem generosidade para com o interlocutor será uma procura sincera da verdade?

Daniel Denett apresenta o antídoto para a tendência de caricaturar as ideias do nosso oponente, resumindo assim a lista de regras criada pelo Psicólogo Anatol Rapoport:




Ver mais aqui.