Avançar para o conteúdo principal

A arte do engodo


Muitas pessoas, principalmente alunos do primeiro período, ficam impressionadas com certos textos pomposos e que parecem, em poucas linhas, dizer tudo aquilo que elas seriam incapazes de pensar numa vida inteira. Felizmente essa profundidade é nada mais do que engodo, e na maior parte das vezes pode ser facilmente detectada. Stephen Law apresenta aqui algumas fórmulas mágicas que dão a tais discursos certo ar de profundidade, em tradução de Aluízio Couto e revisão de Eduardo Cruz.

Comentários

  1. as melhores palavras são ditas em polcas letras, amor vida e Deus e algo mas. gostei de seu blog muito cultura.

    ResponderEliminar
  2. Um errinho na segunda página (marquei entre colchetes):

    "Nada do que eu disse [[[é equivale]]] a dizer que tais afirmações aparentemente contraditórias não podem ter algo de genuinamente profundo".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. opa! value Iago. Vou pedir ao Aluízio que concerte.

      Eliminar
  3. Texto muito interessante.
    Gostei especialmente da pincelada que o autor deu no final:

    "a pseudoprofundidade consiste em uma refinada mistura de banalidades, nonsense e/ou o obviamente falso servidos como um imponente soufflé linguístico. Espete-o com um garfo, deixe o ar quente sair e você perceberá que pouco sobra. Certamente nada que valha a pena comer."

    Pergunto-me quantas pessoas que tenham lido isto tenham achado esta analogia particularmente profunda :P

    ResponderEliminar
  4. Acredita. Comecei a ler Baudrillard, não consegui entender nada, pensava: como sou limitado! kkkkkkkk
    não chegou-me a ser um texto para o 'despertar'; mas mas me forneceu momento de muitas e boas gargalhadas. (ri muito de mim mesmo)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…