23 de agosto de 2013

Filosofia em Directo... e ao vivo


Acabo de receber a agradável notícia de que o meu livro Filosofia em Directo continua a merecer a preferência dos leitores portugueses, tendo já ultrapassado o bonito número de 21 500 exemplares vendidos. A todos os leitores do meu livro, o meu muito obrigado. Espero não desmerecer a vossa confiança, e espero que discordem do que escrevi, mas que o livro vos dê instrumentos para discordar de uma maneira mais sofisticada, reflectida e cuidada.

A edição brasileira do meu livro tem por título Filosofia ao Vivo e está à venda nas livrarias brasileiras. Em caso de dificuldade, pode ser comprado no site do editor.

Os leitores poderão gostar também do meu livro Sete Ideias Filosóficas Que Toda a Gente Deveria Conhecer, que é um complemento ao Filosofia em Directo. O Sete Ideias vende-se em Portugal em todas as livrarias, como é o caso da Wook, e no Brasil na Livraria Cultura.

Uma vez mais, muito obrigado a todos os leitores que fazem de Filosofia em Directo um inesperado sucesso de vendas. Espero não desmerecer a vossa confiança.

8 comentários:

  1. Eu é que agradeço Desidério. Ler o que escreve é sempre estimulante e desafiante. Mais uma vez, obrigado. Jorge Caramelo

    ResponderEliminar
  2. Muito obrigado, Jorge, é muito amável da sua parte!

    ResponderEliminar
  3. Desidério, você sabe se tem previsão de lançamento do 'Filosofia ao vivo' e 'Sete ideias' em edição eletrônica?

    E parabéns pelas marcas alcançadas. São merecidas!

    Deivisson Oliveira

    ResponderEliminar
  4. Preciso da autorização dos editores, tanto num caso como no outro, mas tenho essa intenção. Agora não tenho tempo porque estou ocupado com outras coisas. Dá muito trabalho formatar para versão electrónica, exige bastante tempo.

    ResponderEliminar
  5. Caro Desidério:

    Quanto a vendas, é o que faz ter livros em hipermercados, aonde tive a grata surpresa de vê-lo e comprá-lo. Esperemos que todos que o compraram o leiam, e há pelo menos uma pessoa que o leu sem o comprar: foi quem me acabou de devolver o livro emprestado, e agradecer-me o que de todo e somente se deve agradecer a si. – É mais um magnífico testemunho seu de como se pode tornar acessível a muitos um primeiro, e directo, contacto com a filosofia, uma das mais apaixonantes, mais sérias (e perigosas) aventuras que se podem viver neste mundo, vivida por poucos.

    Aguardei a devolução do livro para o rever, e confirmei a impressão da primeira leitura. – Parece-me difícil conseguir, em menos de uma centena de páginas, uma melhor introdução teórica a muitos dos complicados problemas filosóficos, sem evitar mesmo os mais complicados (da metafísica) e sem sacrificar excessivamente aos momentâneamente mais debatidos. Começando, como começa, bem, pelos mais populares e mais apelativos, consegue levar-nos aos mais “abstractos” e intrincados de uma forma natural, através de hábeis articulações entre os diferentes capítulos e assuntos.

    Em particular, quanto aos mais populares, um liberal velho como eu não podia deixar de apreciar a forma como questionou a “democracia” e a “liberdade” (caps. 1 e 2), propiciando aos leitores um começo de reflexão séria sobre duas palavras que, nas últimas décadas portuguesas, mais parecem conjuros mágicos e míticos cantos de sereia. É um contributo precioso para passarmos da mera crença à cidadania reflectida e prudente.

    Ainda quanto a assuntos mais populares, notei a falta de um capítulo dedicado à “existência de Deus” (e do “problema do mal”, que contemporâneamente lhe aparece tão associado). Estou certo que o tradutor de Swinburne e de Plantinga estaria em condições de mostrar como as respostas a estas questões têm implicações vastas e até decisivas para os outros problemas filosóficos. Sem isso, ficamos dependentes de algumas alusões esparsas (42-43 e 79 e. g. ), o seu tanto inesperadas e como que intrometidas como meras hipóteses ad hoc.

    Em suma, temos aqui em um pequeno livro uma grande introdução à filosofia e ao filosofar, tão habilmente divulgadora como pedagógica. Agora quanto à maneira filosófica como o filósofo Desidério aborda e apresenta as questões, as argumenta e sugere soluções, muito mais teria para lhe dizer. Mas, como muito bem diz nas linhas terminais: «Este livro não é o término da discussão filosófica. É apenas uma das maneiras de a começar.»

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Duarte

      Muito obrigado pelas suas palavras. As limitações de espaço não me permitiram abordar muitíssimos outros temas, nomeadamente a filosofia da religião. Uma abordagem a alguns temas desta área encontra-se no meu livro A Ética da Crença, que espero seja do seu agrado.

      Uma vez mais, muito obrigado pelas suas palavras, e as minhas desculpas por só agora as ter lido!

      Eliminar
  6. Vale a pena mesmo a leitura cuidadosa e atenta desse livro. Como outros colegar já falaram, e eu tbm agora, agradeço aqui o empenho do Prof Desiderio em seus empreendimentos filosoficos. Tenho aprendido a fazer e ensinar filosofia com muito mais rigor e alegria, com a ajuda de seus escritos, bem como de outros professores/filosofos de PT (como a Aires Almeida, Rolando Almeida, a Celia Teixeira). Aprende-se a pensar bem sobre essas questoes dificeis da filosofia com a ajuda desse livro, é um grande estimulante: alta qualidade didatica para profs e alunos, e o publico em geral. Por enquanto, nao tenho muita coisa com o que discordar, até porque me considero ainda um aprendiz (sem falar tbm a falta de tempo em escrever dando aulas que nem se vende peixe no mercado) mas continuo estudando e dissecando a estrutura de ideias de escritos de boa qualidade como esses.

    ResponderEliminar