Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Janeiro, 2013

Investigação Filosófica

Acaba de sair o vol. 3, n. 2, 2012 da Investigação Filosófica.

Wittgenstein’s master

Wittgenstein's master
http://www.prospectmagazine.co.uk/magazine/frank-ramsey-keynes-wittgenstein-grayling/Frank Ramsey was 26 years old when he died after an operation at Guy's Hospital in January 1930. In his short life, he had made lasting contributions to mathematics, economics and philosophy, and to the thinking of a number of his contemporaries, including Ludwig Wittgenstein.(via Instapaper)

Há mesmo uma moral kantiana?

Foto: Aires Almeida
Quem não ouviu já falar da moral kantiana? Bom, andei empenhadamente à procura dela e acho que não a consegui encontrar. Estou mesmo tentado a concluir que não existe tal coisa. Mas ainda estou a tactear, pelo que posso estar redondamente enganado. Se o estiver, agradeço sinceramente que me esclareçam.
Antes de avançar, tenho de deixar claro que não estou a falar da filosofia moral kantiana. Esta é fácil de encontrar. Basta consultar obras como Fundamentação da Metafísica dos Costumes ou a Crítica da Razão Prática. É principalmente nestes dois livros que Kant expõe a sua filosofia moral.
Ora, filosofia moral é o mesmo que ética. Penso que ninguém contesta isto. Mas há quem diga que a ética (ou filosofia moral) e a moral são coisas distintas. Diz-se frequentemente que a ética ou filosofia moral é a reflexão filosófica sobre a própria moral. Neste sentido, a ética trata dos princípios gerais, fundamentos ou justificação da moral, isto é, da fundamentação e justificaç…

Mentir e ser sincero

Aqui está um caso divertido, encontrado no blog de Alexander Pruss (um excelente filósofo da religião):  "Sam é um político que está a falar para uma grande audiência multilingue, e está a planear utilizar slogans que funcionem com cada grupo linguístico. Por coincidência, há algo, s, que ele pode dizer que é tal que em Elbônio significa que ele ama caçar, enquanto em Baratanio s significa que ele é um ávido ciclista. Sam de facto adora caçar apesar de odiar fazer ciclismo, mas sabe que dizer que adora caçar vai tender a ser apelativo para falantes elbonianos, que ele tende a respeitar e não deseja enganar, e que dizer que ele é um ciclista ávido vai tender a ser apelativo a falantes de Baratanio. Por isso, Sam diz s. Ao fazê-lo, Sam é sincero na sua asserção a falantes de Elbônio que ele ama caçar e mente a falantes de Baratanio que é um ciclista ávido. Mas encontra-se Jane na audiência que é uma falante completamente bilingue de Elbônio e Baratanio. Será que Sam mentiu a Jane?…

O legado do Aufbau

O amigo Paulo Andrade acabou de me dar esta bela notícia: o novo (lançado em outubro do ano passado pela Oxford University Press) e empolgante livro de Davild Chalmers, Constructing the World. Como o nome sugere, o livro é influenciado pelo  Der Logische Aufbau Der Welt (Logical Construction of the World) de Carnap, um dos projetos mais ambiciosos do fundacionismo no século XX -- tentava reduzir a base de todo nosso conhecimento a impressões sensíveis assumindo uma tese controversa, conhecida como fenomenismo, de que o mundo nada mais é do que a construção lógica de nossas impressões sensíveis. Embora a motivação de Carnap fosse primariamente epistemológica, a de Chalmers parece ser primariamente metafísica (e não fenomenista). Eis a descrição das costas do livro:
David Chalmers desenvolve uma imagem da realidade na qual todas as verdades podem ser derivadas de uma classe limitada de verdades. Essa imagem é inspirada pela construção do mundo de Rudolf Carnap em Der Logische Aufbau Der …

Já somos mil no Facebook

Num meio como o Facebook, que parece ser resistente a conteúdos de maior complexidade, atingir estes números, apenas através da divulgação da Filosofia, é certamente um feito meritório e que se justifica na qualidade dos diversos conteúdos da CRÍTICA.
Mas esse mérito também deve ser partilhado com todos aqueles que, ao interagirem com a página no Facebook, ajudam a divulgar a Filosofia. Obrigado a todos!

Condições necessárias e suficientes

Acaba de sair a minha tradução, com revisão de Sérgio Miranda, do verbete Necessary and Sufficient Conditions da SEP. Mais traduções de outros verbetes da SEP encontram-se disponíveis aqui.

O golpe de estado ortográfico

Diz-se que o Acordo Ortográfico tem como objectivo unificar a ortografia dos diferentes países de língua portuguesa. Mas o que se verifica é que ele afasta mais do que unifica. Sendo assim, qual teria sido a verdadeira razão subjacente ao acordo? Deixo esta pergunta para os leitores pensarem. E deixo também aqui um artigo da autoria de Maria Regina Rocha (professora e consultora do Ciberdúvidas), publicado no jornal Público do passado dia 19 de Janeiro, com dados objectivos que confirmam que o acordo serve mais para desunir do que para unir. O artigo intitula-se A falsa unidade ortográfica.      O acordo Ortográfico está em causa. Instituições e publicações há que o aplicam; outras, que o rejeitam. O grande público contesta-o, e a esmagadora maioria dos cidadãos não consegue compreender o que se está a tentar fazer à Língua Portuguesa.    Efectivamente, embora genericamente as pessoas estejam contra esse acordo, infelizmente a forma como se extremaram posições levou a que, num determ…

A Ética do Voto

Há pelo menos três teses sobre o voto que são bastante aceitas:

Há uma obrigação moral em votar.O voto deve ser estendido a todos a despeito da capacidade intelectual, virtudes morais ou crenças.É moralmente incorreto comprar e vender votos.
Essas três teses muitas vezes são tomadas como garantidas e relacionadas com a democracia. Diz-se por vezes que elas são condições necessárias para o bom funcionamento de um estado democrático e que o voto tem valor independentemente de suas consequências, isto é, votar em um candidato que traga prejuízo para o Estado é tão valioso quanto votar em um candidato que não traga prejuízo para o Estado.
Felizmente, há quem coloque em causa essas teses de modo rigoroso e interessante. É o que faz o filósofo Jason Brennan no seu "The Ethics of Voting". Brennan argumenta que não só não há o dever de votar, como também há o dever de não votar quando se é um eleitor ruim. Os eleitores têm o dever de não causar prejuízo ao bem comum e, por essa razão,…

O Nomear e a Necessidade, apresentado por João Branquinho

É já no próximo sábado, dia 19, às 18:30, na FNAC Chiado, em Lisboa. Estão todos convidados. (Clicar na imagem para ampliar)


Hanslick sobre apreciação musical

Nada impediu tanto o desenvolvimento científico da estética musical como o valor excessivo que se atribuiu aos efeitos da música sobre os sentimentos. [...] O elementar da música, o som, e o movimento é o que acorrenta os sentimentos indefesos de tantos afeiçoados da música, cadeias que eles de bom grado fazem retinir. [...] É muito significativo o número dos que ouvem ou, em rigor, sentem deste modo a música. Ao permitir que o elementar da música actue neles em passiva receptividade, ficam enredados numa vaga agitação, imperceptivamente sensível, determinada apenas pelo carácter da peça musical. O seu comportamento perante a música não é contemplativo, mas patológico; um contínuo crepúsculo, sentir, entusiasmar-se, uma grande ansiedade no nada sonoro. [...]      Aninhados e semidespertos no seu sofá, aqueles entusiastas deixam-se levar e embalar pelas vibrações de sons, em vez de os examinarem com olhar agudo. Quando eles crescem e aumentam cada vez mais, quando diminuem, irrom…

Novos Livros de Jeremy Waldron

Jeremy Waldron, mais conhecido pelo seu trabalho em filosofia política e filosofia do direito lançou dois livros em 2012: The Harm in Hate Speech e Dignity, Rank and Rights. O primeiro deles trata do problema de se o discurso de ódio deve ser liberado ou não. Como o título sugere, Waldron defende que o discurso de ódio causa dano e, portanto, não deve ser liberado com base na liberdade de expressão. Uma resenha sobre o livro pode ser encontrada aqui. O segundo livro é uma compilação de duas palestras proferidas por Waldron sobre o conceito de dignidade seguida de três comentários e uma resposta do autor aos comentários.