Avançar para o conteúdo principal

O legado do Aufbau


O amigo Paulo Andrade acabou de me dar esta bela notícia: o novo (lançado em outubro do ano passado pela Oxford University Press) e empolgante livro de Davild Chalmers, Constructing the World. Como o nome sugere, o livro é influenciado pelo  Der Logische Aufbau Der Welt (Logical Construction of the World) de Carnap, um dos projetos mais ambiciosos do fundacionismo no século XX -- tentava reduzir a base de todo nosso conhecimento a impressões sensíveis assumindo uma tese controversa, conhecida como fenomenismo, de que o mundo nada mais é do que a construção lógica de nossas impressões sensíveis. Embora a motivação de Carnap fosse primariamente epistemológica, a de Chalmers parece ser primariamente metafísica (e não fenomenista). Eis a descrição das costas do livro:

David Chalmers desenvolve uma imagem da realidade na qual todas as verdades podem ser derivadas de uma classe limitada de verdades. Essa imagem é inspirada pela construção do mundo de Rudolf Carnap em Der Logische Aufbau Der Welt. O Aufbau de Carnap é geralmente visto como um notável malogro, mas Chalmers argumenta que a versão do projeto pode ser bem sucedida. Com os elementos básicos corretos e com a relação de derivação correta, podemos de fato construir o mundo. O ponto central do projeto de Chalmers é a escrutabilidade: a tese de que o raciocínio ideal de uma classe limitada de verdades básicas leva a todas as verdades sobre o mundo. Chalmers argumenta primeiro a favor da tese da escrutabilidade e, depois, considera o quão pequena essa base pode ser. O resultado é um enquadramento na "epistemologia metafísica": a epistemologia a serviço da imagem geral do mundo. O enquadramento da escrutabilidade tem ramificações por toda a filosofia. Usando-o, Chalmers defende uma abordagem amplamente fregiana ao significado, argumenta a favor da abordagem internista aos conteúdos do pensamento, e rebate os argumentos de W. V. Quine contra o analítico e o a priori. Ele também usa a escrutabilidade para analisar a unidade da ciência, para defender um tipo de metafísica conceitual, e prepara uma resposta estruturalista ao cético. Baseado nas conferências John Lock de Chalmers em 2010, Constructing the World abre debate a questões filosóficas centrais sobre o conhecimento, a linguagem, a mente, e a realidade. 

Eis a introdução. E aqui alguns capítulos (talvez um pouco desatualizados). Vale muito a pena conferir! 

Comentários

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…