Avançar para o conteúdo principal

Carnap, Tarski, and Quine at Harvard



During the academic year 1940-1941, several giants of analytic philosophy congregated at Harvard: Bertrand Russell, Alfred Tarski, Rudlof Carnap, W. V. Quine, Carl Hempel, and Nelson Goodman were all in residence. This group held regular private meetings, with Carnap, Tarski, and Quine being the most frequent attendees. Carnap, Tarski, and Quine at Harvard allows the reader to act as a fly on the wall for their conversations. Carnap took detailed notes during his year at Harvard. This book includes both a German transcription of these shorthand notes and an English translation in the appendix section. Carnap’s notes cover a wide range of topics, but surprisingly, the most prominent question is: if the number of physical items in the universe is finite (or possibly finite), what form should scientific discourse, and logic and mathematics in particular, take? This question is closely connected to an abiding philosophical problem, one that is of central philosophical importance to the logical empiricists: what is the relationship between the logico-mathematical realm and the material realm studied by natural science? Carnap, Tarski, and Quine’s attempts to answer this question involve a number of issues that remain central to philosophy of logic, mathematics, and science today. This book focuses on three such issues: nominalism, the unity of science, and analyticity. In short, the book reconstructs the lines of argument represented in these Harvard discussions, discusses their historical significance (especially Quine’s break from Carnap), and relates them when possible to contemporary treatments of these issues.

Comentários

  1. Um trabalho relacionado ao livro do mesmo autor pode ser baixado aqui: http://www.academia.edu/530621/CARNAP_TARSKI_AND_QUINES_YEAR_TOGETHER_DISCUSSIONS_OF_LOGIC_SCIENCE_AND_MATHEMATICS.

    ResponderEliminar
  2. Esse trabalho indicado acima na verdade se trata de uma versão um pouco diferente do livro que o post se refere.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…