Avançar para o conteúdo principal

Putnam: valores, factos e linguagem

http://www.prospectmagazine.co.uk/blog/philosophy/hilary-putnam-philosophy-in-the-age-of-science-kant-wittgenstein/

There is nothing inherent in symbols (like words) which gives them content.  An ant running in the sand could randomly trace out the sentence "I'm half sick of shadows" regardless of humans ever existing. Any content in those symbols, even symbols which are contextually dependent on a speaker's intentions, derives from a very complex network of information, metaphor, and history entirely external from our mental states.

(via Instapaper)

Comentários

  1. Considere-se o padrão abstracto exemplificado nos três seguintes casos:

    a) um italiano dos nossos dias escreve na areia "i vitelli dei romani sono belli".
    b) um falante de latim clássico escreve na areia "i vitelli dei romani sono belli"
    c) a formiga a correr na areia produz acidentalmente o padrão "i vitelli dei romani sono belli" (estipule-se que no mundo em que isto ocorre não há sequer italiano nem latim).

    Parece claro que em a) e b) temos duas frases completamente diferentes, pois no primeiro caso significa "os vitelos dos romanos são belos" e no segundo "ide Vitélio, os deuses de Roma chamam à guerra" e em c) não temos sequer uma frase.

    Uma frase é uma entidade funcional (mais exactamente um artefacto) e aquilo que a faz ser a entidade funcional particular que é ultrapassa as propriedades do padrão abstracto exemplificado em cada ocorrência descrita nas alíneas anteriores.

    Podíamos talvez usar isto como base para um argumento contra diversas formas de platonismo, como o platonismo acerca de obras musicais:

    Dado que uma obra musical é uma entidade funcional, as propriedades que a fazem ser a entidade funcional particular que é ultrapassam as propriedades do padrão sonoro abstracto que as suas execuções correctas exemplifcam. Em particular, as propriedades relevantes dizem respeito ao modo como essa estrutura sonora se relaciona com a intencionalidade coordenada dos seres humanos que contam certos eventos sonoros (os que exemplificam a dita estrutura) como execuções bona fide de algo a que chamamos "a obra musical x".

    Resumindo: seja o que for que uma obra musical é, não pode ser *identificada* com uma entidade platónica (uma estrutura sonora abstracta) pois as propriedades que a fazem ser o tipo particular de entidade funcional que é têm de ser incluídas na definição de "obra musical". Isto seria verdade independentemente de aceitarmos abstracta na nossa ontologia, ou de reinterpretarmos de modo nominalista a referência a coisas como estruturas sonoras.

    Se tudo isto está correcto, podíamos talvez inferir que o funcionalismo estético como teoria geral do que é ser uma obra de arte é incompatível com a identificação das obras de arte com estruturas abstractas, *independentemente* de qual a nossa resposta preferida para o problema dos universais em metafísica geral.

    Alguém tem uma boa resposta a isto a favor do platonista? Será que, p.ex., a abordagem de Wolterstorff, para quem a estrutura sonora só se torna uma *obra* quando é *seleccionada* ou *indicada* por um compositor (que assim "torna sua" a dita estrutura sonora) consegue contornar a objecção que esbocei aqui?

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…