Avançar para o conteúdo principal

Consciência, o mais importante das nossas vidas — John Searle

Nesta palestra John Searle fala sobre a consciência humana por ser, segundo o que defende, o aspecto mais importante das nossas vidas, pois estarmos conscientes é uma condição necessária para que qualquer coisa seja importante. E exemplifica afirmando que nenhuma produção ou conhecimento humano nos interessa se formos um zombie ou se estivermos em coma.

No decurso da palestra apresenta uma definição para este termo e uma resolução do problema mente-corpo, para além de refutar alguns dogmas (da religião, do materialismo, do behaviourismo, etc.) sobre este assunto.



A sua definição de consciência estará correcta? E a resolução do problema mente-corpo? E as suas refutações colhem? O que pensa o leitor?

Comentários

  1. Costumo apreciar bastante estas conferências, mas quando o assunto abordado é algo tão vasto e complexo como a consciência, não se pode esperar que 18 min. sejam suficientemente conclusivos :D

    Opto por levantar aqui apenas uma questão (para ser sucinto) quanto à "common-sense definition" que Searle aqui dá:

    1 - Ao caracterizar a consciência como um conjunto de sentimentos, sensações, etc., não fica claro se é a percepção destes ou seu fundamento (leia-se causa) que explica a existência do estado consciente. Se for pela percepção, então temos que os sentimentos e as sensações estão ao mesmo nível de uma pedra, porque todos valem aqui na qualidade de objectos ou fenómenos, ou seja, é o facto de os percepcionarmos que nos identifica como seres conscientes. Se for pelo fundamento, então constatamos que a consciência é identificável pela presença de uma vontade, que motiva tais fenómenos, tal como Searle demonstrou quando levantou o braço. No entanto, esta hipótese do fundamento falha quando se prolonga para explicar os sentimentos e as sensações que Searle inclui na definição de consciência, uma vez que não as controlamos totalmente (o medo é um exemplo de um sentimento; o sabor amargo é um exemplo de uma sensação – são ambos incontroláveis nas condições certas). Assim, admitindo que é a percepção que explica a consciência, temos que todos os animais (no mínimo) são conscientes, pois são capazes de adquirir e processar informações sensoriais de vários tipos – definição de percepção.
    Sabendo que, obviamente, nem todos os animais são conscientes (pelos menos, ao nível da consciência humana, se é que se pode falar em nível de consciência…) como definimos então o que é a “consciência”? Fica, novamente, a questão ;)

    ResponderEliminar
  2. O intrépido Searle, à imagem do que tem feito com outras temáticas (relembre-se desde logo a da "intencionalidade", por ser conexa com a presente),lança-se sobre a da "consciência" como se não houvesse... um ontem.
    Parece muitas vezes imbuído de uma espécie de "euforia inaugural", que, se tem o mérito de revelar uma genuína inquietude filosófica (que o preserva da atitude "ruminante" do comentador), o faz também debater-se, ingenuamente, em questões que um conhecimento mais cuidado da tradição metafísica (e da sua crítica) lhe pouparia algumas "escorregadelas".

    Não quero aqui invocar a velha e relha divisão entre "filosofia continental" e "analítica". Até porque, justamente, o que acontece é que, à imagem do que acontece com muitos outros filósofos ditos "analíticos", Searle está constantemente a "repisar" ou a "tropeçar" - sem disso dar nota - em questões, debates, impasses ou aporias que se reconhecem na tradição filosófica.

    Nada de grave, pois...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

4 passos para argumentar de forma inteligente e generosa (Daniel Denett)

Costuma ser generoso quando critica os pontos de vista do seu oponente?
Qual será a vantagem dessa abordagem?
Numa discussão quer vencer o seu oponente ou fazer um aliado?
O confronto de ideias sem generosidade para com o interlocutor será uma procura sincera da verdade?

Daniel Denett apresenta o antídoto para a tendência de caricaturar as ideias do nosso oponente, resumindo assim a lista de regras criada pelo Psicólogo Anatol Rapoport:




Ver mais aqui.