Avançar para o conteúdo principal

Realismo Moral Não Naturalista




Acabo de saber do lançamento do livro Taking Morality Seriously: A defense of Robust Realism, escrito por David Enoch. Essa é uma ótima surpresa dada a onda irracional de naturalismo e cientificismo que tem atingido a filosofia. Um excerto sobre o livro disponibilizado pela editora diz o seguinte: 

"Em Taking Morality Seriously: A Defense of Robust Realism, David Enoch desenvolve, argumenta e defende uma posição realista e objetivista forte da ética e da normatividade em geral. Essa posição – segundo a qual há verdades morais e outras verdades normativas perfeitamente objetivas e universais que não podem de maneira alguma ser reduzidas a outras verdades naturais – é familiar, porém esse livro é o primeiro desenvolvimento detalhado das motivações positivas a favor dessa posição colocada em argumentos razoavelmente precisos. E quando o livro se torna defensivo – defendendo o Realismo Robusto contra as objeções tradicionais – ele mobiliza os argumentos originais positivos a favor dessa posição para ajudar com a defesa contra as objeções. 
A principal motivação subjacente a favor do Realismo Robusto desenvolvida no livro é a de que nenhuma outra posição metaética pode justificar a nossa consideração séria pela moralidade. Os argumentos positivos desenvolvidos aqui – o argumento da indispensabilidade deliberativa de verdades normativas, e o argumento das implicações morais da objetividade metaética (ou da sua ausência) – são, portanto, argumentos a favor do Realismo Robusto que são sensíveis às motivações pré-teóricas subjacentes a favor dessa posição."

David Enoch vem se destacando na defesa do realismo moral não naturalista (veja a sua entrevista de 2012 feita pela revista 3.AM) e recentemente disponibilizou um artigo chamado Why I am an Objectivist about Ethics (And Why You Are, Too) no qual explicita e defende as motivações de ser um realista moral, bem como tenta mostrar que rejeitar o objetivismo moral não é uma tarefa muito convincente. 

Para aqueles interessados em ética e metaética, ou curiosos sobre o Realismo Moral, vale a pena conferir.

Comentários

  1. Vou conferir o livro! Mas pela apresentação, a coisa não vai nada bem: (1) "nenhuma outra posição metaética pode justificar a nossa consideração séria pela moralidade." Então, pior para nossa seriedade moral, que pode estar errada, se essas outras metaéticas forem (mais) racionais. (2) "o argumento das implicações morais da objetividade metaética (ou da sua ausência)" : novamente ruim: aceitaremos uma teoria filosófica porque ela favorece a moralidade pré-filosófica que é exatamente o que está em questão? Pensei que reveríamos nossa moralidade se uma teoria filosófica muito boa nos contrariar... (Alcino)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…