Avançar para o conteúdo principal

Neurociência Homunculista (Colin McGinn)

Imagem retirada daqui.

"Aqui eu preciso dizer algo sobre a linguagem padrão que a neurociência veio a assumir nos últimos cinquenta anos. Mesmo livros sóbrios de neurociência nos dizem, rotineiramente, que partes do cérebro “processam informação”, “enviam sinais” e “recebem mensagens” – como se isso fosse tão incontroverso quanto a ocorrência de processos elétricos e químicos no cérebro. Nós precisamos examinar esse linguajar com cuidado. Por que exatamente se pensa que o cérebro pode ser descrito desse modo? Ele é uma coleção de células biológicas como qualquer órgão do corpo, à maneira do fígado ou coração, os quais não são suscetíveis de ser descritos em termos de informação. Dificilmente se pode afirmar que nós observamos transmissão de informação no cérebro, como observamos processos químicos; essa é uma descrição puramente teórica do que está ocorrendo. Então qual é a base para a teoria?

A resposta deve ser certamente que o cérebro está causalmente conectado à mente e a mente contém e processa informação. Isto é, um sujeito consciente tem conhecimento, memória, percepção e o poder da razão – eu tenho vários tipos de informação à minha disposição. Sem dúvida eu tenho essa informação por causa da atividade em meu cérebro, mas daí não se segue que meu cérebro também possua tal informação, muito menos as partes microscópicas dele. Por que nós dizemos que linhas de telefone transmitem informações? Não porque elas sejam intrinsecamente informacionais, mas porque sujeitos conscientes estão em cada extremidade da linha, trocando informação no sentido ordinário. Sem os sujeitos conscientes e seus estados informacionais, fios e neurônios não seriam justificadamente descritos em termos de informações.

O erro é supor que fios e neurônios são homúnculos [pequenos homenzinhos] que de algum modo imitam indivíduos humanos em seus poderes de processamento-de-informação; em vez disso eles são simplesmente o background causal para as transações genuinamente informacionais. O cérebro considerado em si mesmo, independentemente da mente, não processa informação ou manda sinais ou recebe mensagens, não mais do que o coração o faz; pessoas processam informação, e o cérebro é o mecanismo subjacente que as torna capazes disso. É simplesmente falso dizer que um neurônio literalmente “envia um sinal” para outro; o que ele faz é se envolver em certas atividades químicas e elétricas que estão causalmente conectadas às genuínas atividades informacionais.

A ciência contemporânea do cérebro está assim repleta de um injustificado linguajar homunculista, apresentado como se fosse ciência sóbria e estabelecida. Nós descobrimos que fibras nervosas transmitem eletricidade. Nós não descobrimos, no mesmo sentido, que elas transmitem informação. Nós simplesmente postulamos essa conclusão através de falsamente modelar neurônios sobre pessoas. Para colocar a questão um pouco mais formalmente: estados neuronais não têm conteúdo proposicional da maneira que estados mentais têm conteúdo proposicional. A crença de que Londres é chuvosa literal e intrinsecamente contém o conteúdo proposicional de que Londres é chuvosa, mas nenhum estado neuronal contém esse conteúdo desse modo – em oposição a contê-lo metafórica ou derivativamente (John Searle por muito tempo tem defendido com vigor esse tipo de ponto).

E há um perigo teórico nesse linguajar relaxado, porque ele promove a ilusão de que nós entendemos como o cérebro pode dar origem à mente. Um dos atributos centrais da mente é a informação (conteúdo proposicional) e há uma difícil questão sobre como estados informacionais podem vir a existir em organismos físicos. Nós estamos iludidos se pensamos que podemos fazer progresso nessa questão ao atribuir estados informacionais ao cérebro. Para ser justo, se o cérebro processasse informação, no sentido pleno da palavra, então ele seria capaz de produzir estados como crenças; mas simplesmente não é literalmente verdade que ele processa informação. Assim, nós ficamos devidamente nos perguntando como atividade eletroquímica pode gerar estados genuinamente informacionais como conhecimento, memória e percepção. Como tantas vezes, o linguajar homunculista dissimulado gera uma ilusão de compreensão teórica."

Colin McGinn, Homunculism
Resenha de “How to Create a Mind: The Secret of Human Thought Revealed” de Ray Kurzweil (21 de Março 2013)
(Agradecemos a tradução de Lauro Edison)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

4 passos para argumentar de forma inteligente e generosa (Daniel Denett)

Costuma ser generoso quando critica os pontos de vista do seu oponente?
Qual será a vantagem dessa abordagem?
Numa discussão quer vencer o seu oponente ou fazer um aliado?
O confronto de ideias sem generosidade para com o interlocutor será uma procura sincera da verdade?

Daniel Denett apresenta o antídoto para a tendência de caricaturar as ideias do nosso oponente, resumindo assim a lista de regras criada pelo Psicólogo Anatol Rapoport:




Ver mais aqui.