Avançar para o conteúdo principal

100 Argumentos

















Eis uma ótima novidade: a Cultrix lançou Os 100 Argumentos mais Importantes da Filosofia Ocidental, tradução de Just the Arguments: 100 of the Most Important Arguments in Western Philosophy, de Michael Bruce e Steven Barbone. São 100 artigos curtos, escritos por diversos filósofos contemporâneos, cada um apresentando um influente argumento filosófico. Acresce-se aos artigos dois apêndices: um sobre o jargão da lógica básica e outro sobre algumas regras inferenciais básicas. O volume está divido em seis partes: 1) Filosofia da Religião, 2) Metafísica, 3) Epistemologia, 4) Ética, 5) Filosofia da Mente, e 6) Ciência e Linguagem. Cada texto segue basicamente a seguinte estrutura: começa pela indicação das fontes primárias onde o argumento aparece, apresenta o problema filosófico em questão e a estrutura geral do argumento e, por fim, apresenta o argumento formalizado premissa a premissa. A tradução, de Ana Lúcia da Rocha Franco, parece-me adequada. 
Certamente é uma tarefa difícil selecionar os 100 argumentos mais importantes. A escolha dos editores, contudo, foi bastante razoável. Só para citar algumas: o argumento ontológico a favor da existência de Deus, o problema do mal, o argumento de Lewis a favor dos mundos possíveis, o argumento da consequência contra o compatibilismo, a hipótese do cérebro numa cuba, os contraexemplos de Gettier, o problema da indução, o argumento de Quine contra a distinção analítico-sintético, o argumento da questão em aberto, o argumento do violinista, de Judith Thomson; o argumento dos zumbis, de David Chalmers; o argumento do milagre a favor do realismo científico, o argumento da linguagem privada, dentre muitos outros. A maior falta, talvez, tenha sido a não inclusão de dois argumentos importantíssimos à história da filosofia recente: a resolução dos puzzles no "On Denoting" de Bretrand Russell e o argumento a favor do necessário a posteriori, de Kripke. 
O volume é útil a muitas pessoas: a quem está começando a estudar filosofia; aos professores; e mesmo para os estudantes mais avançados. Vale a pena conferir. O índice e a introdução podem ser lidos aqui

Comentários

  1. Que coincidência, comprei este livro na última terça-feira, pois folheando e lendo alguns trechos me pareceu bom. Que legal que o Blog tenha feito uma boa apreciação a respeito.

    ResponderEliminar
  2. Belo livro para os alunos se prepararem para as perguntas de resposta múltipla que agora aparecem no exames de filosofia inspirados pelos gurus do momento.

    Filosofia de bolso, como há muito não se via!...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…