Avançar para o conteúdo principal

4 passos para argumentar de forma inteligente e generosa (Daniel Denett)

Costuma ser generoso quando critica os pontos de vista do seu oponente?
Qual será a vantagem dessa abordagem?
Numa discussão quer vencer o seu oponente ou fazer um aliado?
O confronto de ideias sem generosidade para com o interlocutor será uma procura sincera da verdade?

Daniel Denett apresenta o antídoto para a tendência de caricaturar as ideias do nosso oponente, resumindo assim a lista de regras criada pelo Psicólogo Anatol Rapoport:





Ver mais aqui.

Comentários

  1. Sem dúvida ... uma maneira educada, respeitosa e eficaz!

    ResponderEliminar
  2. Em uma discussão defendemos o que achamos certo, logo, a parte contrária está errada. Logicamente não queremos fazer um inimigo com uma mera discussão, mas não acho que conseguiria dizer "gostaria de ter sido eu a pensar em dizê-lo dessa forma" por um pensamento que acho errôneo. Não existe vencedor e muito menos perdedor com uma troca de argumentos, existe sim uma coisa muito interessante... A troca do conhecimento, para assim, como dito, realizarmos a "procura sincera da verdade". Porém, se a pessoa com quem discuto não consegue aceitar idéias contrárias, pq diabos eu me preocuparia em não criar inimizade? Uma troca de conhecimentos é um processo de defesa de suas verdades, temos que ser técnicos. Perder a calma, fraquejar ou até mesmo criar mágoa não é um modo de demonstrar que seu argumento está errado e que não consegue aceitar este fato? O ser humano não demonstra nenhum tipo de sentimento sobre aquilo que é inferior a ele, então criar a inimizade é uma medida da psique humana, pois teve sua "dita verdade" confrontada e pulverizada. Debates não são lugares para amizades nem inimizades, e sim para a procura da verdade, repito. Acho realmente desnecessário encher a boca com palavras mentirosas e exageradas.
    Ah, claro, mas em um debate não dizemos nada sobre a pessoa que está argumentando, e sim sobre suas ditas verdades. Como eu disse, temos que ser técnicos. A partir do momento em que não somos técnicos, recebemos inimizade ou aliados.
    http://crookedauge.blogspot.com.br/
    PAZ :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Dizê-lo dessa forma" é diferente de "pensar dessa forma". Esse princípio diz respeito apenas à nossa capacidade de tornar inteligível a ideia do outro e, idealmente, fazê-lo tão bem que o outro se reconheça melhor no nosso modo de exprimir a ideia do que no seu próprio.

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…