Avançar para o conteúdo principal

Pergunte ao autor (Pedro Galvão, "Ética com Razões")


A Crítica lançou o desafio ao Pedro Galvão de responder a algumas questões sobre o seu último livro, “Ética com Razões”. O desafio foi aceite.

Agora lançamos o desafio ao leitor: enquanto lia, houve questões que o inquietassem? Pois bem, terá agora a oportunidade de ver as suas questões esclarecidas pelo próprio autor. Das questões aqui colocadas (ou na nossa Página do Facebook) serão seleccionadas as melhores.

No final publicaremos aqui no blogue as perguntas e respostas.

Comentários

  1. Se bem percebi, tu defendes no livro que, se entendermos o conceito de direitos num sentido estrito e não num sentido amplo, então o facto de termos deveres ou obrigações morais em relação aos animais não implica necessariamente que os animais tenham direitos porque isso implicaria, por sua vez, que esses seres nunca poderia ser sacrificados nem sequer para o maior bem, argumento que exemplificas depois dizendo que se um ser (no caso, tu próprio) tem direito moral à vida, então ninguém tem o direito de o matar, mesmo que matá-lo seja necessário para salvar várias vidas. Daqui retiro, não uma, mas duas ou três questões:
    1ª - Nesse caso, por extensão do argumento, os seres humanos também não têm direitos, uma vez que o mesmo princípio se aplica aos direitos humanos, havendo portanto deveres humanos mas não direitos humanos?
    2ª - Não haverá aqui uma confusão entre direitos absolutos ou sagrados e direitos tout court, os quais poderiam existir e serem objectivos, sendo, no entanto, relativos, não no sentido relativista ou subjectivista do termo, mas apenas no sentido em que poderiam existir outros direitos superiores que, em certos casos ou sempre, objectivamente se sobreporiam aos outros, como seria o caso de haver um bem maior que o justificasse, à semelhança do que sucede com os supostos direitos humanos à vida, à liberdade ou à felicidade, que também sabemos(?) terem limites e não serem absolutos, apesar de serem objectivamente reconhecidos como existentes? (desculpa a extensão)
    3ª - A ideia de que determinados seres têm deveres ou obrigações morais em relação a outros não implicará necessariamente que aqueles que são objecto desses deveres possuem correlativamente os direitos que correspondem àqueles deveres, ainda que estes não possam, por natureza ou condição, retribuir com iguais deveres em relação aos primeiros, como é o caso dos outros animais, dos bebés, das pessoas portadoras de deficiência mental, dos loucos, das pessoas com Alzheimer, etc?

    ResponderEliminar
  2. No seguinte link pode-se consultar as minhas questões, comentários, dúvidas, objeções: http://blog.domingosfaria.net/2015/05/discutir-o-aborto-com-razoes.html

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…