Avançar para o conteúdo principal

"O Maior Bem Que Podemos Fazer" de Peter Singer


Imagem retirada daqui

Saiu hoje o último livro de Peter Singer cujo assunto, no domínio da Ética Aplicada, está bem patente no seu longo título: “O Maior Bem Que Podemos Fazer – Como o Altruísmo Eficaz Está A Mudar As Ideias Sobre Viver Eticamente”.

Numa entrevista ao The Wall Street Journal, quando foi confrontado com a questão de como é que se poderia aprender a ser mais altruísta, a resposta de Singer foi: "Suponho que estudar filosofia é realmente a resposta."

Segue-se o Prefácio, o Índice e um curto vídeo de apresentação do livro pelo próprio Peter Singer.

Prefácio
Um movimento novo e emocionante está a surgir: o altruísmo eficaz. Organizações estudantis estão a formar-se em torno dele e há discussões acaloradas nas páginas das redes sociais e dos sítios da Internet, bem como nas páginas do New York Times e do Washington Post.
O Altruísmo eficaz baseia-se numa ideia muito simples: devemos fazer o maior bem que podemos. Obedecer às regras habituais de não roubar, enganar, ferir e matar não é o suficiente, ou pelo menos não é o suficiente para aqueles de nós que têm a enorme sorte de viver com conforto material, que podemos alimentar, dar habitação, e vestir a nós mesmos e às nossas famílias e ainda ter dinheiro ou tempo de sobra. Viver uma vida ética minimamente aceitável envolve o uso de uma parte substancial dos nossos recursos extra para tornar o mundo um lugar melhor. Viver uma vida plenamente ética envolve fazer o maior bem que podemos.
Embora as pessoas mais activas no movimento do altruísmo eficaz tendam a ser da Geração do Milénio — isto é, a primeira geração a ter a maioridade no novo milénio — filósofos mais velhos, dos quais eu sou um, já discutiam o altruísmo eficaz antes de este ter um nome ou de ser um movimento. O ramo da filosofia conhecido como ética prática tem desempenhado um papel importante no desenvolvimento do altruísmo eficaz e o altruísmo eficaz reivindica, por sua vez, a importância da filosofia, mostrando que ela muda, às vezes até dramaticamente, as vidas daqueles que tiram esses cursos.
A maioria dos altruístas eficazes não são santos, mas sim pessoas comuns como você e eu, muito poucos altruístas eficazes afirmam viver uma vida totalmente ética. A maioria deles está algures no contínuo entre uma vida ética minimamente aceitável e uma vida totalmente ética. Isso não significa que se sintam constantemente culpados por não serem moralmente perfeitos. Os altruístas eficazes não vêm muito sentido em se sentirem culpados. Eles preferem concentrar-se no bem que estão a fazer. Alguns deles ficam satisfeitos em saber que estão a fazer algo significativo para tornar o mundo um lugar melhor. Muitos deles gostam de desafiar-se a si mesmos, para fazer um pouco melhor este ano do que no ano passado.
O Altruísmo eficaz é notável sob várias perspectivas, irei explorar cada uma delas nas páginas seguintes. Primeiro, e mais importante, isso está a fazer uma diferença no mundo. A filantropia é uma indústria muito grande. Só nos Estados Unidos há quase um milhão de instituições de caridade, que receberam um total de, aproximadamente, 200 mil milhões de dólares por ano, com um adicional de 100 mil milhões dólares doados a congregações religiosas. Um pequeno número de instituições de caridade são claramente fraudes, mas um problema muito maior é que muito poucas delas são suficientemente transparentes para permitirem que os doadores possam julgar se realmente estão a fazer o bem. A maior parte desses 300 mil milhões de dólares é dada com base em respostas emocionais a imagens das pessoas, animais, ou florestas que a caridade está a ajudar. O altruísmo eficaz procura mudar isso proporcionando incentivos às instituições de caridade para que demonstrem a sua eficácia. O movimento já está a direccionar milhões de dólares para instituições de caridade que estão efectivamente a reduzir o sofrimento e a morte causada pela pobreza extrema.
Em segundo lugar, o altruísmo eficaz é uma maneira de dar sentido às nossas próprias vidas e de encontrar a realização pessoal naquilo que fazemos. Muitos altruístas eficazes dizem que, ao fazer o bem, se sentem bem. Os altruístas eficazes beneficiam directamente os outros mas, indirectamente, muitas vezes, beneficiam-se a si mesmos.
Em terceiro lugar, o altruísmo eficaz lança uma nova luz sobre uma velha questão filosófica e psicológica: Seremos fundamentalmente impulsionados pelas nossas necessidades inatas e respostas emocionais, com as nossas capacidades racionais a fazer pouco mais do que colocar uma capa justificativa sobre as acções que já foram determinadas antes mesmo de começarmos a raciocinar sobre o que fazer? Ou poderá a razão desempenhar um papel crucial na determinação de como vivemos? O que é que leva alguns de nós a olhar para além dos nossos próprios interesses e dos interesses daqueles que amamos para os interesses de estranhos, das gerações futuras, e dos animais?
Por fim, o surgimento do altruísmo eficaz e o entusiasmo evidente e inteligência com que muitos da Geração do Milénio no início das suas carreiras o estão a abraçar, oferecem motivos para o optimismo sobre o nosso futuro. Há muito que existe cepticismo sobre se as pessoas podem realmente ser motivadas por uma preocupação altruísta para com os outros. Alguns pensaram que as nossas capacidades morais se limitam a ajudar os nossos parentes, aqueles com quem nós estamos, ou poderíamos estar, em relacionamentos mutuamente benéficos e os membros do nosso próprio grupo tribal ou sociedade de pequena escala. O altruísmo eficaz fornece evidências de que esse não é o caso. Mostra que podemos expandir os nossos horizontes morais, tomar decisões com base numa ampla forma de altruísmo e empregar a nossa razão para avaliar as evidências sobre as prováveis ​​consequências das nossas acções. Desta forma, permite-nos ter esperança que a próxima geração, e aqueles que a sigam, sejam capazes de cumprir as responsabilidades éticas de uma nova era em que os nossos problemas serão tanto globais como locais.
[Texto retirado daqui]



Índice

Prefácio
Agradecimentos

Capítulo I
Altruísmo Eficaz
1 – O que é o Altruísmo Eficaz
2 – O Aparecimento de um Movimento

Capítulo II
Como fazer o maior bem
3 – Viver Modestamente para Dar Mais
4 – Ganhar para Doar
5 – Outras Carreiras Éticas
6 – Dar Uma Parte de Si Mesmo

Capítulo III
motivação e justificação
7 – Será o Amor Tudo o que Precisamos?
8 – Um entre Muitos
9 – Altruísmo e Felicidade

Capítulo IV
escolher causas e organizações
10 – Nacional ou Global?
11 – Serão algumas Causas Objectivamente Melhores do que Outras?
12 – Comparações Difíceis
13 – Redução do Sofrimento Animal e Protecção da Natureza
14 – Escolher a Melhor Organização
15 – Prevenção da Extinção Humana

Posfácio
Notas
Índice Remissivo


Comentários

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…