Avançar para o conteúdo principal

O Novo de Daniel Dennett


Imagem retirada daqui

O que é ser um pregador ou rabino que já não acredita em Deus? Nesta edição ampliada e actualizada do seu estudo pioneiro, Daniel C. Dennett e Linda Lascola, de forma abrangente e sensível, expõem uma verdade inconveniente que as instituições religiosas enfrentam na nova transparência da idade da informação — o fenómeno de membros do clero que já não acreditam no que pregam publicamente. Em entrevistas confidenciais, clérigos de todo o espectro ministerial — do liberal ao literal — revelam como as suas vidas de serviço religioso e estudo os levaram a uma verdade contrária às suas crenças professadas e à sua profissão (continua).
Esta é a descrição do novo livro de Daniel Dennett (em co-autoria com Linda Lascola), "Caught in the Pulpit: Leaving Belief Behind".
O prefácio de Richard Dawkins termina da seguinte forma:
O seu estudo aumentado examina em detalhe trinta casos individuais. Alguns desses homens e mulheres acreditaram apaixonadamente por muitos anos antes de perder a sua fé. Outros parece que já eram cépticos enquanto ainda estavam no seminário, mas foram em frente com a sua carreira sacerdotal por razões que precisam de ser exploradas — e são-no. Estes são seres humanos, cada um diferente, e às vítimas é-lhes permitido o espaço para contar as suas próprias histórias, entrelaçadas com inteligência e perspicácia pelos dois autores.

O livro é uma colaboração entre um paciente, uma assistente social sensível e um dos grandes filósofos do mundo. Vai surpreender, uma vez que fascina. Se, como espero e antecipo, os 500 apóstatas agora no The Clergy Project vierem a ser a ponta fina de uma cunha muito grande, ponta de um enorme icebergue tranquilizador, arauto de um ponto de viragem que aí vem e é muito bem-vindo, este livro será visto como — misturando mais uma vez metáforas com o desculpável regozijo — o canário dos mineiros. Ele vai ajudar-nos a compreender o que está a acontecer enquanto as comportas se abrem, como espero que em breve aconteça. Também espero que venha a ser lido pelo clero ainda crente e que isso lhes dê a coragem de se juntarem aos seus colegas que já viram a luz e se afastaram da sombra escura do púlpito.
Para mais informação pode ler também "As Igrejas já não podem esconder a verdade: Daniel Dennett sobre a Nova Transparência", um artigo de apresentação do livro que inclui uma pequena entrevista com Daniel Dennett, ou este artigo do próprio no The Wall Street Journal: "Porque é que o Futuro da Religião é Sombrio".

Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…