Avançar para o conteúdo principal

Partilha ilegal (e grátis) de conhecimento

"O Conhecimento Liberta" (Imagem retirada daqui)


Será que as vantagens do acesso sem restrições ao conhecimento é uma boa razão para se recorrer à desobediência civil?

Uma investigadora Russa, pensando que sim, tornou acessíveis mais de 48 milhões de artigos científicos na Internet e, mesmo depois da decisão desfavorável do tribunal, continua a recusar-se a fechar o seu site.

Assim, em 2011, a neuro-cientista Alexandra Elbakya, frustrada por não conseguir pagar o acesso aos artigos de que necessitava para a sua investigação, criou esta espécie de Pirate Bay do mundo científico, alegando que todos, independentemente do seu rendimento ou filiação, deveriam ter livre acesso ao conhecimento. O site entretanto tornou-se viral, com centenas de milhares de artigos a serem descarregados diariamente. O site em questão é o Sci-Hub.

Do lado oposto a esta Robin dos Bosques dos tempos modernos estão as editoras que, ao providenciarem uma revisão científica dos artigos e a sua divulgação ‒ o que antes da Internet era crucial à disseminação do conhecimento ‒ alegam que se um investigador quiser ter reconhecimento e construir uma carreira, precisa ainda de publicar neste tipo de revistas científicas.

Mas quando até as universidades começam a ter dificuldade em subscrever estas publicações, Alexandra Elbakya questiona a própria legalidade das editoras por estarem a impedir o livre acesso ao conhecimento.



(Ver mais aqui).

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…