Avançar para o conteúdo principal

(Cont.) O Tesouro perdido de Wittgenstein?



  LUDWIG WITTGENSTEIN | NCMallory Flickr

Como alguns dos leitores terão reparado a notícia do último post é de 2011. Por essa altura foram também publicadas estas duas notícias:

Em 2013 o Boletim Philosophy at Cambridge (pág. 6 e 7) e depois o Boletim British Wittgenstein Society, detalhavam assim os nove manuscritos que constituem o arquivo encontrado:
  1. O próprio Livro Castanho original, com frases novas nas suas páginas introdutórias, até então desconhecidas na escrita de Wittgenstein. (Também exibe um número significativo de parágrafos ou frases alemãs escritas à mão por Wittgenstein, nas páginas que estão de frente para o texto em inglês. Estas são muitas vezes traduções variadas, ou, às vezes, estendem a noção aí expressa em inglês.)
  2. Um Livro Cor-de-Rosa, intitulado Livro I e Livro II (composto de 14 200 palavras, bem como muitas ilustrações visuais). Parece ser uma cópia exacta, com revisões e parágrafos ocasionais adicionados por Wittgenstein. É muito diferente dos fragmentos do Livro Amarelo que Alice Ambrose publicou, com apenas algumas sugestões ocasionais de justaposição superior. Há motivos para supor que é o que Wittgenstein desejava escrever em vez do Livro Amarelo ou para o substituir.
  3. "Comunicação de Experiência Pessoal" (com 12 000 palavras, isto compreende a extensão até então desconhecida após o término da versão publicada do Livro Castanho), em forma de cópia exacta, com uma revisão finamente matizada de detalhes escritos à mão por Wittgenstein, e com referências cruzadas com o Livro Castanho.
  4. "Palestras sobre Filosofia" (este manuscrito tem 20 352 palavras, está repleto de datas de conferências, a primeira das quais é declarada como "4.ª f., 17 de Jan." [1934]). É uma série de notas cuidadosamente elaboradas com argumentos e estratégias contínuas que não correspondem a qualquer narrativa publicada.
  5. "Imagem Visual no seu Cérebro" (composto de 3 600 palavras, era provavelmente um ditado particular para Skinner). Observações refinadas em forma de notas de conferência.
  6. "Lições sobre auto-evidência e lógica" (20 544 palavras). Notas de aula com algum detalhe, com evidências de revisão antes da sua forma final. Compreende as palestras de um semestre, com evidências de que o manuscrito foi trabalhado e re-formatado no sentido de se transformar num manuscrito unificado. Embora volte à questão da auto-evidência no Tractatus e esteja preocupado em desafiar as visões de Russell sobre lógica e matemática pura, mesmo assim não é uma repetição de pontos de vista anteriores. Em vez disso, ele desenvolve novamente a negação da auto-evidência.
  7. «Caderno Norueguês» (4 400 palavras) em forma de projecto. Isto foi ditado talvez a Skinner na sua visita a Wittgenstein na Noruega, embora terminado em Cambridge.
  8. "Uma Investigação Matemática". Este manuscrito é inteiramente constituído de formas precisas e incomuns de cálculos. Uma vez que não tem a mão de Wittgenstein expressa nele de forma óbvia, há um problema de atribuição. No entanto, dado que faz parte de um Arquivo que o próprio Wittgenstein reuniu como uma expressão do seu trabalho em conjunto com Skinner, devemos pelo menos deixar espaço para que seja veiculado. Compreende 12 353 símbolos matemáticos — sem qualquer narrativa. Explora questões envolvendo o pequeno teorema de Fermat. O seu desvio das rotas usuais de cálculo complementa explicitamente como a própria filosofia de Wittgenstein expõe possibilidades inesperadas no uso de "regras".
  9. Uma cópia incompleta do Livro Azul. É o único texto dactilografado no Arquivo. Significativamente, termina de forma prematura, aproximadamente no mesmo ponto que uma cópia posterior manuscrita por Skinner.

Numa entrevista em Setembro de 2016, aquele a que chamam o homem mais inteligente do Reino Unido, Arthur Gibson, e que estava responsável pelo conteúdo deste arquivo, disse:
   
"Fiquei impressionado, porque é um arquivo inteiro nunca visto antes e, a maior parte, inteiramente nova. Fornece uma visão dos seus processos de pensamento – é quase como se espiássemos a sua mente".

Mas aparentemente ainda persistem algumas dúvidas sobre o material descoberto, para além das novidades:
"Isto pode ou não ser o item ausente chamado o livro cor-de-rosa ou livro amarelo que os académicos esperam há muito tempo. Há também uma série de milhares de cálculos matemáticos nos quais Wittgenstein examina o pequeno teorema de Fermat. É uma série de cálculos extraordinária, até mesmo bizarra, e ainda assim original"
 E dá a entender que uma avaliação definitiva ainda está por fazer:

"O arquivo mostra que questões revolucionárias imprevistas e novas ainda nos esperam na filosofia de Wittgenstein e no conhecimento científico que nós pensamos incorrectamente que já entendemos."

Em 2013 a nota biográfica de Arthur Gibson no Boletim Philosophy at Cambridge já referia que o arquivo estava preparado para ser convertido num livro cujo título seria "Ludwig Wittgenstein Dictating Philosophy: to Francis Skinner", mas aparentemente este livro ainda não foi publicado.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O filósofo preferido dos filósofos

É curioso ouvir o podcast que, para marcar o lançamento do segundo livro de Philosophy Bites, da responsabilidade de David Edmonds e Nigel Warburton, eles disponibilizaram sobre o filósofo favorito de muitos dos filósofos e filósofas que entrevistaram. 
São quase 70 filósofos e filósofas das mais variadas áreas e tendências filosóficas que se pronunciam sobre o seu filósofo favorito, justificando brevemente a sua escolha. É certo que a maior parte dos filósofos são de língua inglesa, mas também os há, embora poucos, de língua francesa. Mesmo entre os filósofos de língua inglesa, muitos não são filósofos analíticos. Confesso que não conheço muitos deles, mas há outros que talvez sejam conhecidos dos leitores, como Ronald Dworkin (que referiu Kant), David Chalmers (Carnap), Kit Fine (Aristóteles), Michael Sandel (Hegel), Peter Singer (Henry Sidgwick), Michael Dummett (Frege), Tim Crane (Descartes), Susan Wolf (Aristóteles), Stephen Neale (Russell), Noël Carroll (Aristóteles), Brian Lei…

O que é uma análise?

Há duas maneiras de entender uma análise, o que pode parecer surpreendente. Deparei-me recentemente com este aspecto ao trabalhar na segunda edição do Dicionário Escolar de Filosofia.

Podemos entender uma análise de um dado conceito como uma apresentação de outros conceitos mais básicos que captem inteiramente o primeiro. O exemplo típico é algo como a análise do conceito de virgem como pessoa que nunca teve relações sexuais. Esta é a concepção fraca de análise. Na concepção forte, o que resulta da análise, para ser realmente uma boa análise, terá de ser uma frase analítica. Realmente, “Uma pessoa virgem é uma pessoa que nunca teve relações sexuais” é uma frase analítica. As tentativas de análise filosófica são tipicamente vistas como tentativas de análise no sentido forte: se fosse realmente verdade que o conhecimento é crença verdadeira justificada, essa afirmação seria analiticamente verdadeira.

Isto colide com a ideia de que não só a filosofia, mas também as ciências como a física o…