10 de junho de 2012 Blog

Que seria de nós sem o acordo?

Aires Almeida
O que vale é que temos o acordo ortográfico. Não sei como iríamos entender-nos sem ele, como deixa antever este pequeno exemplo que circula pela rede. 


2 comentários :

Anónimo disse...

Isso mostra que pouco mudou, então pra que tanta celeuma? No meu ver é uma tempestade num copo d'água.

Só não concordo com a exigência compulsória dessa forma ortográfica, isso é arbitrariedade, deveria ser facultativa. Creio que com o tempo, pela conveniência, tal forma seria adotada pelos falantes. Do modo que foi conduzido, baixando por decreto, criou animosidade desnecessária.

Lucas.

Everton Maciel disse...

Não são traduções diferentes? Aí é fácil apontar elementos dissonantes! O que interessa nesse caso é saber se o mesmo texto, em língua lusa, teria tais diferenças. Duvido muito.

Arquivo